Senacon alerta para recall de veículos Ford Ranger 3.2
Brasília, 15/08/16 - A Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Cidadania (Senacon/MJC) informa que a Ford Motor Company LTDA protocolou campanha de chamamento dos veículos Ford Ranger 3.2 Diesel Automática, modelo 2013, em razão da possibilidade de redução involuntária da transmissão para a primeira marcha, com brusca diminuição da velocidade, potencial travamento das rodas e perda do controle da direção.

O Código de Defesa do Consumidor determina que o fornecedor repare ou troque o produto defeituoso a qualquer momento e de forma gratuita. Se houver dificuldade, a recomendação é procurar um dos órgãos de proteção e defesa do consumidor.

De acordo com a Ford, a campanha de chamamento, com início do atendimento em 31 de agosto de 2016, abrange 4.683 automóveis, importados, produzidos na cidade Pacheco, na Argentina, no período de 2 de fevereiro de 2012 a 9 de março de 2013, e colocados no mercado de consumo, com numeração de chassi, não sequencial, compreendida entre os intervalos DJ024672 a DJ484214, comercializados em todos os estados do país.

Quanto aos riscos à saúde e à segurança dos consumidores, a Ford destacou ter constatado a possibilidade de "falha intermitente de comunicação entre o sensor de velocidade da transmissão e o módulo de controle do motor. A função do sensor de velocidade da transmissão é informar ao software do módulo de controle do motor a velocidade em que o veículo se encontra, de forma que este software seja capaz de determinar a marcha mais adequada à velocidade desenvolvida pelo veículo em dado momento. Assim, na hipótese de falha intermitente de comunicação entre esses componentes, poderá ocorrer a redução involuntária da transmissão para a primeira marcha". Nessa condição, "em caso de redução involuntária da transmissão para a primeira marcha e dependendo da velocidade em que o veículo estiver neste momento, pode haver diminuição abrupta e repentina de velocidade, com possibilidade de travamento das rodas, podendo resultar em perda de controle do veículo, aumentando o risco de acidentes com danos físicos aos ocupantes do veículo”.

Serviço

Mais informações podem ser obtidas junto à Ford, por meio do Centro de Atendimento Ford (CAF) pelo telefone 0800 703 3673, ou pelo site www.ford.com.br. Detalhes sobre a campanha de chamamento também estão disponíveis no site do Ministério da Justiça – justica.gov.br.
Procon dá dicas para consumidor não ser enganado nos postos de combustíveis
Preço, qualidade, quantidade e validade dos produtos são alguns dos fatores que devem ser observados

A Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania do Governo do Estado de São Paulo, orienta os consumidores sobre cuidados necessários em postos de combustíveis. Confira algumas recomendações:

Origem, preço, validade e quantidade
Os postos de combustíveis devem informar na entrada do posto, através de placas, faixas ou totens, os valores que são praticados segundo regra da Agência Nacional do Petróleo (ANP). É importante o consumidor verificar se os preços das bombas são os mesmos que os anunciados e se há restrição de horário, forma de pagamento ou bomba.

Etanol
Nas bombas verifique o nível do densímetro, o tubo transparente onde passa o combustível e é possível perceber a quantidade de água. O máximo permitido pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) é de 5% ou há adulteração. O etanol deve ser límpido, isento de impurezas. A cor alaranjada significa adulteração.

Gasolina
Em caso de suspeita quanto à qualidade da gasolina, o consumidor pode pedir ao funcionário do posto que realize na hora o “teste da proveta”, que mede a porcentagem de etanol misturado. Verifique o tipo de gasolina que está sendo utilizado. A gasolina também tem validade, são até três meses no depósito do posto, por isso, muitos empurram o tipo mais caro com menos saída.

Fluídos, lubrificante e aditivos
Atenção ao trocar lubrificantes e fluídos que têm prazo de validade a ser respeitado, como também conferir se o preço está na prateleira. Consulte o manual e veja quando realizar a troca. É comum postos comissionarem frentistas para realizar a venda.

O engenheiro mecânico e professor do departamento de engenharia mecânica do Instituto Mauá, Celso Argachoy, alerta aos motoristas sobre a importância de respeitar o prazo de validade dos produtos automotivos. Em especial, óleos lubrificantes, fluídos de freio e aditivos, pois após o vencimento passam a absorver a umidade e perdem suas características.

Para esclarecer dúvidas do consumidor, acesse o site do Procon, Ipem e ANP.
Telefonia celular Atraso do Pagamento – Bloqueio da Linha -
Com base em autorização da Anatel, as operadoras de telefonia celular adotam os seguintes procedimentos no atraso de pagamento das contas:

- 15 dias após o vencimento: bloqueio parcial da linha. O consumidor só recebe ligações;

- 30 dias após o vencimento: suspensão total da linha. Telefone não faz nem recebe ligações;

- 45 dias após o vencimento: a linha é desativada.

O consumidor deve contestar valores que não reconhece.

A Lei da Meia-Entrada mudou!
Entrou em vigor dia 01/12/2015 o decreto nº 8.537 de 5 de outubro de 2015 que regulamenta a nova lei da meia-entrada (Lei n° 12.933/2013) e o Estatuto da Juventude (Lei n° 12.852/2013), onde garantem que 40% dos ingressos de um evento sejam destinados à meia-entrada.

A partir de agora, os estudantes devem portar a Carteira de Identificação Estudantil – CIE para obter o direito a Meia-Entrada, as CIEs devem seguir um padrão nacional com certificação digital e emitida pelas entidades representativas, válido em todo território nacional.

Meia Entrada para estudantes. Um direito seu pra ser curtido por inteiro.
Acesse o site:
http://meiaentradaonline.com.br/

Fonte: PROCON RS
NOTA FISCAL
Nota fiscal: sinônimo de segurança.
O documento é prova de relação de consumo e garantia contra problemas futuros.Exija SEMPRE a sua.



 

 















 

Mural 
15/2/2007
Molhos de tomate oferecem perigo à saúde.
6/2/2007
Documentos necessários para registrar reclamações no PROCON.
6/2/2007
Melhor maneira de comprar material escolar